Sexta-Feira, 30 de Setembro de 2022
Vampiros ou humanos? Saiba curioso mistério das mortes em Polién

Vampiros ou humanos? Saiba curioso mistério das mortes em Polién

O curioso mistério das mortes em Polién: Vampiros ou humanos?

Antigamente, por volta do século XVIII, ocorreram mortes de modos que deixavam qualquer indivíduo de queixo caído.

Nesta época, acreditava -se muito no misticismo. Porém essa crença levou muitas pessoas à morte de maneiras extremamente cruéis.

Quando falamos de bruxas, zumbis e vampiros, automaticamente vem à nossa cabeça figuras de filmes de terror.

No século 17 e 18, as pessoas de alguns pontos, ou até mesmo o mundo todo não tinham o conhecimento medicinal da época de hoje. O que levava os cidadãos de pequenas cidades a se apavorar quando algum destes fatos ocorria.

Na região de Polién, há pouco tempo atrás, arqueólogos encontraram o corpo de uma mulher, aparentemente morta ainda jovem e de grande status social.

Dava para ver pelas vestimentas que sobraram em seu esqueleto que ela não era apenas uma jovem que morreu, e sim uma jovem grandiosamente rica.

Também torna interessante a descoberta quando foram analisar a estrutura óssea de seu corpo, os dentes tinham um tamanho exagerado em proporção a arcada dentária de um esqueleto comum. Mas, será que foi apenas isto que chamou atenção destes historiadores?

Creio que não! O que mais chamou atenção na descoberta, foi o modo como esta mulher foi enterrada.

Foram colocados cadeados com correntes em seus dedos dos pés e no pescoço encontrava-se uma foice, prendendo a região do pescoço.

O fato mais interessante foi os outros corpos encontrados na mesma região com as mesmas características e modo de ser enterrado.

Todos os moradores da região ficaram chocados ao ver a cena!

Além de chocar, ao ver a cena, também choca o fato de saber que os antepassados tinham tão pouca sabedoria em conhecer certos fatos.

Vampiros, zumbis, bruxas…isso parece coisa de filmes de anos atrás, não é mesmo?

Mas é importante saber sobre estes fatos históricos passados nas regiões. Isso comprova o quanto o ser humano cresceu mentalmente e medicinalmente.

O que ocorria na época era um surto de doenças como epidemias de cólera ou febre amarela, mas o povo não via isto como doença.

Alguns anos depois, ainda continuavam assassinando mulheres e homens de todas as idades, incluindo bebês recém nascidos com o intuito de combater a bruxaria ou magia negra da região.

Alguns acreditavam que ao nascer com muito pêlos no corpo ou com alguma anomalia ou deficiência, era por conta de terem sido amaldiçoados pelos atos de seus antepassados.

Outros ainda com a crença em vampiros, davam uma de Van Helsing e saiam a matar pessoas, cujos tinham o ato estranho de viver enfurnada dentro de casa ou acordado pela madrugada.

Felizmente o mundo todo se conscientizou da barbaridade feita a esses indivíduos no passado e acabaram por aceitá-los como pessoas excepcionais.

Ainda num tempo anterior a este, após ler um artigo no site da Prensa, descobrimos que estas atrocidades ocorriam desde os primórdios.

Você sabia que os surdos eram considerados “aberrações amaldiçoados” na Grécia antiga? E ainda por cima eram jogados ao mar ou penhascos a fim de quebrar as maldições futuras em seus descendentes. Porém, no Egito, por exemplo, os surdos eram considerados Deuses.

De alguma forma, para estas pessoas do séc. 17 e 18, existia sim quem acreditasse que esses ” vampiros” seriam Deuses ou demônios da época.

Portanto, o único modo que eles achavam de interromper essa “maldição” de modo que fizesse o ser não voltar, de modo algum, era matando decapitado.

Com certeza você não deve ficar preocupado com esta postagem, vampiros podem até existir de uma certa forma, mas com certeza, os mesmos são mortais, de carne e osso. Assim como as bruxas.

E por falar em casos verídicos de seres sobrenaturais, em uma pesquisa nos Estados Unidos, conseguiram reviver uma pessoa morta de 3 a 5 segundos.

É!! Essa sim, é assustadora. Porém, nessa ressurreição que fizeram, foi através de aparelhagens que distribuem sinais vitais, no cérebro, através de pequenos eletrodos conectados ao corpo do indivíduo.

Isto talvez seja estudo da parte da medicina, de experimentos que foram feitos ainda entre a primeira e segunda guerra mundial.

Em um campo de concentração, por meados desta época, médicos estudavam uma forma de reviver os soldados em campo de batalha.

Para isso, usavam animais, como cães, gatos, coelhos, ratos e macacos para ligar em máquinas onde apenas o cérebro e os pulmões ficam funcionando.

Bizarro, não? Muito bizarro! Mas para quem acredita em mistérios e seres sobrenaturais, seria muito mais preocupante se houvesse seres que escapasse destas pesquisas e viessem assombrar nossa cidade ou casas, não é mesmo?!

Bom, o nosso arquivo de hoje foi especial sobre os seres místicos que foram descobertos em ossos no Polién.

Conforme os estudos, tudo indica que eram pessoas comuns que viviam em alguma condição contraditória às regras da sociedade.

Então esperamos que você tenha gostado do nosso arquivo até aqui. Até a próxima!

Compartilhe

Relacionados

Você conhece a lenda do DIABO DE JERSEY Bizarros Você conhece a lenda do DIABO DE JERSEY A lenda assustadora DIABO DE JERSEY uma fera cabeça de égua que assombrava Pine Barrens Durante séculos, as pessoas no sul de Nova Jersey e Delaware encontraram um demônio...
Conheça os costumes medievais mais estranhos Bizarros Conheça os costumes medievais mais estranhos Nove dos costumes medievais mais estranhos, do grotesco ao francamente sádico De gatos queimados sancionados pela igreja a lampreias assadas como uma iguaria, é melhor deixar essas...
Conheça o homem mais imundo do mundo Bizarros Conheça o homem mais imundo do mundo Conheça o homem mais imundo do mundo, Amuhaji, que não toma banho desde a década de 1950 Amou Haji, de Dejgah, Irã, afirma que a limpeza pode levar a doenças, e sua evitação...
© 2022 -

Aviso de Cookies

O site utiliza cookies e tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência de navegação e, ao continuar, você concorda com estas condições. Política de privacidade OK